Conheça a Marisa

Marisa, mulher, mãe, educadora, política e lutadora pelos direitos humanos


A paixão pelos livros e pela escola levou a menina de seis anos, filha de agricultores e neta de italianos que chegaram ao Brasil em 1892, chamada Marisa, a garantir o direito de aprender. Naquele tempo, década de 50, não existiam escolas públicas na colônia. Assim, Laurindo e Thereza Formolo, pais de Marisa, com a ajuda dos vizinhos, construíram uma escola nas terras da família, um lugar de difícil acesso, onde a professora tinha que ir à cavalo. “Eu tinha 5 anos, lembro disso, mas não podia entrar na escola. Quando cheguei aos 6, eu revirava toda a escola e ficava sentada na escada”, lembra Marisa.


Foi a inspetora de Educação, Ester Benvenute, quem deixou aquela garotinha curiosa, que circulava pela escola para entrar em sala de aula e estudar, mesmo sem ter idade para fazer a matrícula. O direito de aprender estimulou profundamente Marisa Formolo a seguir carreira como educadora. Desde cedo ela aprendeu que as pessoas conquistam seus direitos, quando sabem o que querem e são persistentes. “Esta foi uma das grandes lições da minha vida. É assim: como se fosse a raiz da planta que sustenta as minhas crenças”, garante.


Sempre contando com o apoio dos pais e dos irmãos, os primeiros passos nas lutas sociais começaram a ser dados na Juventude Estudantil Católica (JEC). “O ato de ver a realidade na sua consistência, na sua plenitude com profundidade e não me deixar convencer facilmente das coisas que eu não encontrasse a raiz delas, foi uma aprendizagem metodológica que influenciou toda a minha vida”, explica Marisa. E esta, foi a força motriz para que ela, em plena ditadura militar, atuasse nos movimentos e organizações de estudantes católicos.


A educadora Marisa Formolo, 67 anos, é formada em Filosofia e em Pedagogia, especialista em Pesquisa e mestre em Planejamento Educacional. Já a política Marisa Formolo, acumula as experiências de vice-prefeita e prefeita pelo PT, em Caxias do Sul, e de um segundo mandato na Assembleia Legislativa.

 

Marisa Formolo é casada com Vilson Dalla Vecchia e tem três filhos: Giovana, Caroline e Thiago. Recentemente a família aumentou com os genros Eduardo e Pablo, a nora Yael e as netas Manuela, quatro anos, e Verônica, 12 meses. Se por um lado a escola foi o norte da menina Marisa, por outro, a família foi o alicerce para a vida política.


Foi com esta força que, no parlamento, no primeiro mandato, a deputada encarou de frente, e com coragem, o trabalho de relatora da CPI dos Pedágios. Com esta mesma disposição coordenou a Subcomissão em defesa da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). Foi presidente da Comissão Especial do Ensino Profissionalizante e autora da emenda de R$ 790 milhões para ampliação e reforma de escolas no RS, tendo criado o programa no Orçamento Estadual que já beneficiou mais de mil escolas por todo o Estado.


O compromisso da deputada é a garantia de direitos – à segurança alimentar, na luta em defesa dos professores e contra a criminalização dos movimentos sociais. Quem acompanha a rotina e o trabalho dela percebe que, na agenda sempre tomada pelos compromissos por várias regiões do Estado, principalmente entre Caxias do Sul e Porto Alegre, a deputada Marisa mantém aquele mesmo vigor da garotinha curiosa, de 6 anos que revirava a escola toda, ansiosa pelo saber. “Sempre tem quem nos carrega, nos cuida, nos motiva, partilha. Eu tive muitos privilégios na vida, neste sentido: amizades consistentes e relações solidárias”, ressalta ela. “Tudo foi dando solidez para eu sustentar todos os desafios que a vida apresentou”.


Mesmo na vida política é a paixão pela experiência de educadora que ganha destaque. “É muito forte em mim, em qualquer lugar onde estou, em qualquer trabalho que eu faça, eu sempre me considero profissionalmente professora”, diz Marisa. “Porque eu aprendi desde criança a beleza do ato de aprender e do apoio de um educador para que a gente se transforme”.